segunda-feira, 18 de maio de 2015

Família evangélica é espancada por estudantes de escola pública em Barretos - SP por causa de sua fé

INTOLERÂNCIA RELIGIOSA


Uma família evangélica foi agredida a pauladas e pontapés na cidade de Barretos (SP) por estudantes de uma escola pública. O motivo da agressão é o fato de professarem a fé protestante.
As desavenças começaram com uma menina de 12 anos de idade, que foi hostilizada na Escola Estadual Embaixador Macedo de Soares por ser evangélica. No dia seguinte, quarta-feira, 13 de maio, a irmã mais velha, de 16 anos, foi tirar satisfação e terminou agredida.
“Elas disseram que não gostavam do meu jeito, do meu cabelo. A diretora já tinha me avisado que elas não gostavam do jeito que eu me arrumava. Elas ficavam me chamando de ‘zé povinho’, dizendo que eu ia perder o cabelo, essas coisas”, afirmou a adolescente em entrevista à EPTV.
Em depoimento à Polícia, ela contou que só foi tirar satisfação porque havia duas semanas que sofria com as hostilidades.
No entanto, o fato de a família ter ido procurar a Polícia causou ainda mais revolta nos estudantes, que no dia seguinte, quinta-feira, 14 de maio, a agrediram após a aula. Os pais e um dos tios da menina tentaram apartar a confusão e terminaram agredidos também pelo grupo de cerca de30 pessoas.
O tio da adolescente foi atingido por uma paulada na cabeça, desmaiou e continuou sendo espancado, a pontapés. Socorrido após a chegada da Polícia Militar, o homem de 31 anos teve o rosto desfigurado e sofreu traumatismo craniano.
Internado na Santa Casa de Barretos, ele passou por atendimento de emergência e recebeu alta, porém deverá se submeter a uma cirurgia. A adolescente e os pais sofreram apenas ferimentos leves.
A mãe da adolescente agredida preferiu não se identificar à reportagem e falou que a determinação dos estudantes era tanta, que mesmo com sua presença e do pai das meninas, continuaram agredindo com socos e puxões de cabelo: “Eu peguei ela (sic) e levei embora. Mesmo com ela dentro do carro, um menino ainda saiu puxando o cabelo dela. Eu tentando sair da porta da escola e ele puxando o cabelo dela”, relembrou.
Agora as filhas estão recebendo ameaças nas redes sociais, e a família, assustada, considera deixar a cidade e voltar a Goiânia (GO), de onde vieram em busca de emprego: “Eu me senti impotente. A covardia foi demais. Na hora, eu não tinha para quem pedir socorro. Eles enfrentam os próprios coordenadores da escola. Eu vou tirar as minhas filhas da escola e não sei nem se vou continuar na cidade. Eu estou com medo”, disse a mãe.

É ESSE O ESTADO LAICO TÃO DEFENDIDO? 
Estão seguindo o exemplo de mulçumanos radicais? a direferença é que eles fazem em nome de Ala e os ignorantes religiosos fazem em nome do próprio "EGO"? se sentem incomodados? ofendidos com a presença da Palavra de um Deus que eles ignoram ou acreditam não existir? como pode ser isso? acreditar num Deus que não existe e se incomodarem tanto com isso?
Anarquia e balbúrdia é o que tem acontecido nos lugares de onde se expulsam a Deus, será que ninguem enxerga isso? Claro, como pode cego enxergar?
Já não bastasse o holocausto, a perseguição empleitada por Roma, a inquisição. Como se não bastasse também tirar o ensino religioso das escolas, os símbolos religiosos das repartições públicas, dos tribunais, mas estimular eles nos hospitais e nos presídios? nas casas de recuperação de drogados? no cemitério? a quem eles estão querendo enganar? 
ESTADO LAICO é ANARQUIA. o Vazio não se preenche com pecado. Não se pode transformar o PECADO em SANTIDADE sobs os auspícios da LEI. Pra Deus isso não funciona. 
Para Deus pecado é pecado e santidade é santidade.
Como disse uma jornalista: "Se é para promover a laicidade, vamos demolir o Cristo Redetor, o Senhor do Bomfim, trocar o nome das cidades que tem nomes biblicos, mudar o nome das pessoas que tem nome de personagens da biblia, vamos remover as imagens do Brasil, melhor, remover as igrejas Católicas, evangélicas e acabar com a peregrinação dos fiéis aos lugares de adoração"
Comentário: Washington Albernaz (Jornalista)

Nenhum comentário:

Postar um comentário