segunda-feira, 5 de março de 2018

Mulçumanos assassinam cristãos, queimam casas e espalham o terror na Nigéria

Anti Cristo é designado à todo aquele que odeia tudo que é de Cristo, seja pessoas, símbolos, igrejas.


Mulçumanos assassinam cristãos, queimam casas e espalham o terror na Nigéria

A onda de terror e violência contra os cristãos na Nigéria, na África Ocidental, apesar de chamar atenção do mundo, parece não estar sendo suficiente para às autoridades locais tomarem providências contra a perseguição dos muçulmanos à população que professa a fé em Jesus Cristo como único e suficiente Salvador.
Um grupo de muçulmanos extremistas da etnia Fulani, localizada na região, incendiou 12 casas e assassinou vários cristãos na aldeia de Zanwra. As denúncias foram feitas para a ONG International Christian Concern, pelo pastor
Biri Gado, na esperança de que a perseguição religiosa local seja ainda mais exposta ao mundo e o governo local tome providências.
Não é a primeira vez que atos de violência contra os cristãos da aldeia são cometidos. Um dia antes, um membro da igreja do pastor Biri foi assassinado, também, por extremistas islâmicos. O grupo Fulani fez um cerco na Aldeia, mas apesar dos jovens cristãos tentarem defender suas famílias com as armas disponíveis, chegando a trocar tiros com o bando, não tiveram pleno sucesso.
“Estava ficando assustador, então eu tive que sair. Vi os Fulani perseguindo esses jovens que corriam em minha direção. Eu até chamei o presidente da juventude, dizendo-lhe que precisamos de mais pessoas na segurança”, disse Biri. Ele enviou um pedido de socorro, mas não obteve resposta.
O pastor Biri Gado afirmou que a pesar do esforço para conseguirem ajuda, os militares do governo não prestaram socorro porque foram orientados para não ajudar nesses casos:
“No que está provando ser um problema comum, os militares são informados para não ajudar ou simplesmente não se importarem”, disse ele.
James Nengwe, de 60 anos, é uma das vítimas assassinadas pelos radicais islâmicos. Ele também fazia parte da igreja pastoreada Biri Gado. Segundo informações do Christian Post, em 11 de fevereiro mais três cristãos foram mortos pela mesma etnia Fulani, de confissão islâmica. Todavia, apesar da comprovada perseguição religiosa no local, Biri denuncia o descaso do governo:
“O governo deve realmente fazer algo. O governo não veio aqui com nenhuma resolução. Eles não nos visitaram para ver que as pessoas ainda estão com problemas”, lamenta ele.

domingo, 4 de março de 2018

Cristãos são mortos ao tentarem resgatar meninas sequestradas por muçulmanos na Nigéria

Cristãos são mortos ao tentarem resgatar meninas sequestradas por muçulmanos na Nigéria




O cenário de perseguição religiosa aos cristãos na Nigéria já está sendo descrito como um verdadeiro “caos”. Quando não são atacados, os muçulmanos radicais também sequestram e obrigam meninas a se converterem ao islã. Algumas são feitas de “esposas” e outras de escravas sexuais.
Querendo impedir que mais um grupo de meninas fossem escravizadas, um grupo de cristãos decidiu tentar, por conta própria, resgatar as garotas. A iniciativa surgiu após o governo local não tomar providências, mesmo com o grande número de denúncias e casos de violência contra os cristãos.
No total, 12 cristãos foram mortos e outros 20 ficarm feridos em Kasuwan Magani, no norte da Nigéria, durante a tentativa de resgate, segundo informações da agência ‘Morning Star News’ publicadas na última terça-feira (27). “Os nomes dos mortos não estão prontamente disponíveis para mim no momento, mas posso confirmar que são cristãos mortos na área cristã da cidade”, disse James Madaki, da Igreja ‘Winning All’.
Ainda segundo Madaki, os extremistas quiseram espalhar pânico e terror na cidade, também queimando a casa de todos os moradores: “Os muçulmanos não apenas atacaram os cristãos que foram resgatar as meninas, mas também foram ao redor da cidade, atacando todos os cristãos que estavam em seu caminho e queimaram as casas dessas pessoas”, disse ela.
“Esta é a prática dos muçulmanos no estado de Kaduna. Eles sequestram pequenas garotas cristãs e as forçam a se tornarem muçulmanas. Quando os cristãos tentam impedir isso, os muçulmanos as atacam”, disse Omega Funom, um dos moradores locais.
Recentemente noticiamos outro caso semelhante, onde um grupo de muçulmanos da etnia Fulani, também da Nigéria, incendiou 12 casas e assassinou vários cristãos na aldeia de Zanwra. Na ocasião, o pastor Biri Gado, de uma igreja evangélica local, afirmou que apesar das denúncias, os militares não socorreram os cristãos da aldeia.
Ao que parece, a perseguição religiosa de muçulmanos contra os cristãos da Nigéria é algo chancelado pelas autoridades locais. Ou no mínimo ignorada. Para o Rev. John Hayap, porta-voz da Associação Cristã da Nigéria, no norte do país, a oração é a única alternativa, mas também o apelo por paz e tolerância:
“Eu me sinto muito triste com essa violência contra os cristãos, mas o que mais podemos fazer do que orar e pedir a intervenção de Deus? Continuaremos a pregar a paz e a tolerância em nossas igrejas, não importa o nível de provocação de nossos vizinhos muçulmanos”, disse ele.
____________________________________________________________________________
President Donald Trump, please intercede with Nigerian government agencies that over the years has been silent and allowed Muslim groups to torture, massacre, rape and kidnap, without doing anything at all. The people cry in that country. Numerous complaints and petitions have already been addressed to the UN which looks at all events in the distance, inert only as indifferent spectators. What does the UN really exist for? Why fight against the radical Muslims in Syria when in Nigeria they are free to murder Christians? Where are the NGOs or Human Rights that both claim to protect the rights of people? Do not they do anything just because we're black? or poor? or is not our country strategically interesting to rich nations? They already claim that they want to do away with Christians all over the world, will not you just wake up when they get there and do the same thing you're doing here with us here in Nigeria? And this cowardly Nigerian government? That is why we ask for help.

Christians are killed trying to rescue girls abducted by Muslims in Nigeria3 March 2018


The scenario of religious persecution of Christians in Nigeria is already being described as a real "chaos." When they are not attacked, radical Muslims also kidnap and force girls to convert to Islam. Some are made of "wives" and others of sex slaves.

Wanting to prevent another group of girls from being enslaved, a group of Christians decided to try, on their own, to rescue the girls. The initiative came after the local government failed to take action, even with the large number of denunciations and cases of violence against Christians.



A total of 12 Christians were killed and 20 wounded in Kasuwan Magani in northern Nigeria during the rescue attempt, according to information from the Morning Star News agency published on Tuesday. "The names of the dead are not readily available to me at the moment, but I can confirm that they are dead Christians in the Christian area of ​​the city," said James Madaki of the Winning All Church.

According to Madaki, the extremists wanted to spread panic and terror in the city, also burning the house of all the residents: "The Muslims not only attacked the Christians who came to rescue the girls, but also went around the city, attacking all Christians who were on their way and burned the houses of these people, "she said.

"This is the practice of Muslims in the state of Kaduna. They kidnap little Christian girls and force them to become Muslims. When Christians try to stop this, Muslims attack them, "said Omega Funom, one of the local residents.



We recently reported another similar case where a group of Fulani Muslims, also from Nigeria, burned down 12 houses and murdered several Christians in the village of Zanwra. At the time, the pastor Biri Gado, from a local evangelical church, said that despite the accusations, the military did not help Christians in the village.

It seems that the religious persecution of Muslims against the Christians of Nigeria is something that is chancelado by the local authorities. Or at least ignored. For the Rev. John Hayap, a spokesman for the Christian Association of Nigeria in the north of the country, prayer is the only alternative but also the call for peace and tolerance:

"I feel very sad about this violence against Christians, but what else can we do than pray and ask for God's intervention? We will continue to preach peace and tolerance in our churches, no matter the level of provocation of our Muslim neighbors, "he said.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Nigeria: Muslims wipe out 15 villages in mass slaughter of Christians, government does nothing

“Despite several calls to the governor and his deputy, and other security apparatus, the government remained silent as the atrocities continued. The Fulani were able to carry out their deadly attack. They stayed for hours in the vicinity, moving at will, unchallenged.”
Why? Nigerian President Muhammadu Buhari clearly has no sympathy for the victims. He shares the world view of the jihadi attackers.
“Armed gangs WIPE OUT 15 villages in mass Christian slaughter in Nigeria,” by Joey Millar, Express, February 18, 2018 (thanks to The Religion of Peace):
ARMED men stormed through 15 villages to massacre Christians and destroy their churches in a violent crackdown against the religion in Nigeria.
Dozens of people have been killed after the gangs ransacked towns and villages to clear them of all aspects of the Christian faith.
Houses belonging to believers have also been razed with authorities doing little to help, an anti-persecution watchdog claimed.
Open Doors spoke to one Christian who described the broad daylight attack carried out by a group of Fulani – one of Africa’s largest ethnicities.
A spokeswoman said: “One attack took place in broad daylight, as people were about to go to church.
“The assailants chased and killed the villagers and burned down nine churches and many more houses.”
Christian persecution is a major problem in Nigeria which has been exacerbated by the spread of radical Islamic teaching and practice.
The shocked witness said Christians needed more protection from the country’s leader or lives would continue to be lost.
They said: “Despite several calls to the governor and his deputy, and other security apparatus, the government remained silent as the atrocities continued.
“The Fulani were able to carry out their deadly attack. They stayed for hours in the vicinity, moving at will, unchallenged.”…
In the central state of Nasarawa, 25 villages have been destroyed since January 15….
A spokesman for the Concerned Indigenous Tiv People group said: “Since the outbreak of the crisis on January 15 this year, due to the Fulani /herdsmen attack on our villages, leading to the displacement of Tiv in their ancestral homes, the Nasarawa State Governor, Tanko Almakura, has done very little to bring the situation under control.”
Other attacks have taken place in Benue State and across the Middle Belt region of the country. The Army has now been deployed to certain areas in order to stop the violence.
A spokeswoman for Open Doors said: “Believers experience discrimination and exclusion, and violence from militant Islamic groups, resulting in the loss of property, land, livelihood, physical injury or death; this is spreading southwards.
“Corruption has enfeebled the state and made it ill-equipped to protect Christians. Rivalry between ethnic groups and raids by Fulani herdsmen compound the persecution. Converts face rejection from their Muslim families and pressure to recant.”

TRADUÇÃO 


Nigéria: muçulmanos eliminam 15 aldeias em massacres de cristãos, o governo não faz nada
FEVEREIRO 19, 2018 4:43 AM POR ROBERT SPENCER 57 COMENTÁRIOS

"Apesar de várias chamadas para o governador e seu deputado, e outros aparelhos de segurança, o governo manteve o silêncio enquanto as atrocidades continuavam. Os Fulani foram capazes de realizar seu ataque mortal. Ficaram por horas na vizinhança, movendo-se à vontade, sem resposta ".

Por quê? O presidente nigeriano Muhammadu Buhari claramente não tem simpatia pelas vítimas. Ele compartilha a visão mundial dos atacantes jihadistas.



"Gangues armadas WIPE OUT 15 aldeias em massacres de massas cristãs na Nigéria", por Joey Millar, Express, 18 de fevereiro de 2018 (graças à Religião da Paz):

Homens ARMADOS invadiram 15 aldeias para matar os cristãos e destruir suas igrejas em uma violenta repressão contra a religião na Nigéria.

Dezenas de pessoas foram mortas depois que as gangues saquearam cidades e aldeias para limpá-los de todos os aspectos da fé cristã.

As casas pertencentes aos crentes também foram arrasadas com autoridades que pouco ajudaram, afirmou um governador anti perseguição.

Open Doors falou com um cristão que descreveu o amplo ataque diurno realizado por um grupo de Fulani - uma das maiores etnias de África.

Uma porta-voz disse: "Um ataque ocorreu em plena luz do dia, quando as pessoas estavam prestes a ir à igreja.

"Os assaltantes perseguiram e mataram os moradores e queimaram nove igrejas e muitas outras casas".

A perseguição cristã é um grande problema na Nigéria, que foi exacerbada pela disseminação do ensino e da prática islâmica radical.

A testemunha chocada disse que os cristãos precisavam de mais proteção contra o líder do país ou as vidas continuariam a perder.

Eles disseram: "Apesar de várias chamadas para o governador e seu deputado, e outros aparelhos de segurança, o governo manteve o silêncio enquanto as atrocidades continuavam.

"Os Fulani foram capazes de realizar seu ataque mortal. Ficaram por horas na vizinhança, movendo-se à vontade, sem resposta. "...

No estado central de Nasarawa, 25 aldeias foram destruídas desde 15 de janeiro ....

Um porta-voz do grupo Concerned Indigenous Tiv People disse: "Desde o início da crise em 15 de janeiro deste ano, devido ao ataque de Peças / Peças em nossas aldeias, levando ao deslocamento de Tiv em suas casas ancestrales, o Governador do Estado Nasarawa , Tanko Almakura, fez muito pouco para controlar a situação ".

Outros ataques ocorreram no estado de Benue e na região do Cinturão Médio do país. O Exército já foi implantado em certas áreas para parar a violência.

Uma porta-voz da Open Doors disse: "Os crentes experimentam discriminação e exclusão, e violência de grupos militantes islâmicos, resultando em perda de propriedade, terra, subsistência, ferimento físico ou morte; Isso está se espalhando para o sul.

"A corrupção enfraqueceu o estado e tornou-o mal equipado para proteger os cristãos. A rivalidade entre grupos étnicos e ataques por peregrinos Fulani agrava a perseguição. Converte a rejeição do rosto de suas famílias muçulmanas e a pressão para se retrair ".

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Presbítero da Assembleia de Deus é brutalmente assassinado

Presbítero da Assembleia de Deus é brutalmente assassinado e tem cabeça mutilada
Célio Cícero Valdemar era sargento da Polícia Militar

Foi encontrado o corpo do presbítero da Assembleia de Deus, Célio Cícero Valdemar (50), que estava desaparecido desde o dia 19, quando foi fazer compras em um supermercado de atacado na capital do estado, Maceió.

Segundo os papiloscopistas Rogério Castro e Marcelo Casado, responsáveis pelo exame, assim que o corpo chegou ao IML de Maceió foi realizada a coleta das digitais do cadáver. Em seguida, o material foi levado para o Instituto de Identificação, onde os papiloscopistas compararam com as digitais da ficha civil da carteira de identidade do sargento. Após uma criteriosa análise, o resultado deu positivo.

Leia: Cantor gospel é morto à tiros em emboscada



Com a identificação oficial e a conclusão do exame de necropsia, o corpo de Célio que era sargento da PM, será liberado para sepultamento. De acordo com a Perícia Oficial, o sargento foi vítima de instrumento perfuro-contundente por projétil de arma de fogo e por instrumento contundente não identificado.

Após a identificação do corpo, os familiares vão encaminhar o corpo para a cidade de Passo de Camaragibe, onde será sepultado.militar pela Perícia Oficial, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) divulgou uma nota de pesar.

O comandante da Polícia Militar de Alagoas, coronel Marcos Sampaio, disse que agora é “prioridade a identificação dos criminosos responsáveis pela morte do sargento”. “A polícia está de luto. Na verdade, toda a sociedade alagoana. Ele era um homem de bem, pai de família, homem exemplar. Vamos prender os responsáveis. Este assassinato não ficará impune”, frisou o comandante.

domingo, 13 de agosto de 2017

Mulçumanos ataque igreja Batista na Nigéria. Até agora somam 40 mortos

Igreja Batista é atacada por muçulmanos e morrem ao menos 40 cristãos na Nigéria
Além dos mortos e feridos neste ataque recente, centenas de pessoas foram expulsas de suas casas e igrejas também foram destruídas.


Ataque de muçulmanos em aldeia. (Foto: 360Nobs)
Pelo menos 40 pessoas foram mortas, após um massacre brutal a uma comunidade cristã  Batista na Nigéria.

Homens armados (provavelmente membros de tribos Fulani) invadiram Godogodo no estado de Kaduna, Nigéria – um assentamento predominantemente cristão – no último sábado (15). O incidente ocorreu após assassinatos anteriores na mesma aldeia.

Além dos mortos e feridos neste ataque recente, centenas de pessoas foram expulsas de suas casas e igrejas também foram destruídas.


Moradores da aldeia disseram que o massacre aconteceu pouco depois de alguns jornalistas terem passado por lá para fazer uma matéria sobre um ataque com facões que havia matado oito pessoas no final de setembro, segundo relatórios da agência cristã ‘Morning Star News’.

Uma testemunha do ataque, Peter Atangi, viu seus quatro filhos sendo mortos pelos pastores Fulani [grupos de extremistas islâmicos que perseguem cristãos na Nigéria].

“Os pastores vieram à noite, no sábado [15 de outubro]. Eles invadiram nossas casas depois de atacar um posto de controle militar. Eles usavam armas sofisticadas, além de facões, facas e paus. Assim que eles chegaram, começaram a atirar indiscriminadamente e começamos a correr em direções diferentes”, disse ele.

“Eles atiraram e mataram meus quatro filhos. Enquanto corríamos para salvar nossas vidas, eles também atearam fogo em nossas casas. Muitos estão desabrigados agora”, acrescentou.

O pastor Isaac Balason, da Igreja Batista Nasara, em Godogodo, falou com a agência ‘Morning Star News’ pelo telefone durante o momento ataque.

“Agora são 20:30 e o ataque está acontecendo”, disse ele. “Não temos certeza se vamos sobreviver a isto. Por favor, estejam em oração conosco”, pediu.

Solomon Musa, advogado e presidente da União Popular do Sul de Kaduna, disse em uma conferência de imprensa na última segunda-feira (17), que os residentes locais identificaram pelo menos 40 pessoas que morreram.

Ele disse: “A comunidade Godogodo voltou a sofrer um ataque feroz, aterrador, brutal, selvagem e bárbaro por parte dos pastores Fulani sem qualquer motivo aparente, no último sábado, 15 de outubro de 2016”, disse ele. “Até agora, os moradores conseguiram identificar pelo menos 40 corpos, além de vários outros cadáveres queimados, o que dificulta o reconhecimento”.

De acordo com Solomon quase todas as casas da aldeia foram queimadas.

“A selvageria e barbárie do ataque é inacreditável”, disse ele. “No entanto, os governos federal e estadual parecem permanecer tranquilos e evasivos. Fomos abandonados e negligenciados”.

Rev Thomas Akut, da Igreja Evangélica ‘Winning All Good News’, em Godogodo disse que o ataque expulsou todos os 245 membros de sua igreja.

“A maioria das aldeias ao redor de Godogodo foram destruídas e milhares de cristãos foram expulsos de suas casas”, disse ele, observando que considera que este ataque é parte de uma guerra islâmica contra os cristãos.

“Esta é uma jihad”, disse ele. “É uma guerra santa islâmica contra cristãos na parte sul do estado de Kaduna”.

A organização cristã ‘World Watch Monitor’ relatou que mais de 300 pessoas – a maioria sendo cristãs – foram mortas em ataques de pastores Fulani nos últimos cinco meses e mais de 5.000 pessoas foram expulsas de suas aldeias.

Outro pastor nigeriano, Rev Agostinho Akpen Lev, disse ao site da organização: “Este é outro jihadista, assim como o Boko Haram no nordeste do país. Os terroristas transportam armas sofisticadas, às vezes até usam armas químicas em nossas comunidades. Eles atacam muitas vezes durante a noite, quando as pessoas estão dormindo. Eles atacam pessoas indefesas e vão embora. Eles têm claramente um objetivo: Acabar com a presença do cristianismo e assumir as terras”. FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN TODAY

domingo, 4 de junho de 2017

Projeto pró-islã recebe R$ 7 milhões via Lei Rouanet

EVANGELICOS NUNCA RECEBERAM VERBA nem mesmo para ajudar nas Casas de Recuperação de drogados, alcoolatras, mendigos, creches, asilos e orfanatos. Na verdade quem sustenta tudo isso são dízimos, ofertas, doação de alimentos e outras feitas por  membros das igrejas e familiares dos internos.

115 mil cartilhas muçulmanas serão distribuídas para difundir “O que o mundo islâmico fez por nós”


Entre as constantes discussões sobre os abusos da Lei Rouanet, grande trunfo do Ministério da Cultura (MinC) nos governos do Partido dos Trabalhadores, o foco parece recair sempre nos artistas globais. Alguns deles receberam milhões de reais em forma de renúncia fiscal para produzirem seus espetáculos, que ainda assim cobram ingressos caros.

Em meio ao escrutínio público que vem sendo feito após a posse do novo governo, está sendo proposta uma CPI na Câmara dos Deputados para se investigar os excessos. Até o momento não foi divulgado se no novo MinC irá revisar todas as concessões futuras, como tem sido especulado.

Alguns desses projetos, aprovados pelo governo Dilma Rousseff, chamam atenção por terem clara formatação ideológica. Por exemplo, foi captado via Lei Rouanet um total de R$ 7.095.007,39 para a organização da exposição “1001 Invenções: descobrindo o duradouro legado da civilização muçulmana”.

  Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora!
A exposição, idealizada por uma organização da Inglaterra, será apresentada em São Paulo no ano que vem, por um período de três meses. No próximo encontro da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC), entre 7 a 9 de junho, ele precisa receber a aprovação final.

A justificativa do projeto, idealizado por Ahmed Salim, um jordaniano radicado em Londres, tem “a finalidade de descortinar esse passado (muçulmano) encoberto pelos acontecimentos atuais e pelo próprio modo como foi contada a história ocidental.” Entre as várias facetas da exposição está a exibição do documentário: “O que o mundo islâmico fez por nós”.

Na documentação apresentada, afirma-se que “o projeto contribuirá para a área pelo seu caráter histórico, artístico e educativo de notória importância”. Embora em momento nenhum apareça a palavra religião, não faz distinção entre a cultura do povo árabe (étnico) e os muçulmanos (seguidores de Maomé). Ou seja, para seus criadores, uma coisa está intrinsicamente ligada à outra.

A mostra prevê a entrega de 115 mil cartilhas para os estudantes de 7 a 17 anos que visitarem o local. Inclui ainda verba para campanhas educativas com as escolas da cidade, visando “despertar o interesse do público, em especial os estudantes a respeito do tema central proposto”.

Estranhamente, nos últimos anos, por causa de suas convicções ideológicas, os partidos alinhados com a esquerda vinham enfatizando constantemente a necessidade do Brasil se afirmar como um Estado laico.

Essa separação entre Estado e religião, impediria que fosse repassada verba pública para a promoção de um determinado credo. Pelo histórico recente do PT, isso só vale quando se trata de cristianismo, pois durante vários anos o governo federal patrocinou eventos para a promoção das religiões afro-brasileiras através do Ministério da Cultura e da Fundação Palmares.

A subvenção da religião, é bom lembrar, é proibida pelo artigo 19 da Constituição Federal. Com informações de Ilisp

Pastor é assassinado na porta de igreja

 Pastor é assassinado na porta de igreja no município de São Pedro do Suaçuí, no Vale do Rio Doce

Fonte: http://aconteceunovale.com.br
Um pastor evangélico foi assassinado nessa terça-feira, 9 de maio, na porta de uma igreja no Aglomerado Capitinga, município de São Pedro do Suaçuí, no Vale do Rio Doce. Relatos de testemunhas dão conta de que a vítima, identificada como Rodrigo Resende, realizava um culto na Assembleia de Deus Bonsucesso, quando teria saído para ajudar dois rapazes a pegar um tacho com alimento para servir aos fieis.
Ao sair na porta do templo religioso, o pastor foi alvejado por um disparo de arma de fogo, possivelmente de calibre 12, e morreu no local. Testemunhas afirmaram também que o suspeito do crime estava em um barranco em frente à igreja.
Após a prática do crime, o autor evadiu do local com um comparsa. A Polícia Militar foi acionada e iniciou rastreamentos com intuito de localizar e prender os criminosos. O Aconteceu no Vale ainda não conseguiu informações junto à corporação sobre o andamento das buscas.
A Perícia Técnica da Polícia Civil compareceu a igreja e após os trabalhos de praxe, o corpo do pastor foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) em Governador Valadares para realização de necropsia.
O crime bárbaro, presenciado por familiares do pastor, será investigado pela Polícia Civil. O assassinato de Rodrigo Resende causou grande comoção entre moradores do município de São Pedro do Suaçuí e de cidades circunvizinhas.

Rodrigo era responsável pela filial da AD Bonsucesso em Capitinga (Foto: Reprodução)