quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

“o mundo assiste cristãos morrerem como animais”

Líder da Igreja Batista na Nigéria diz: “o mundo assiste cristãos morrerem como animais”

“A mesma seriedade com que está se intervendo contra os ataques do ISIS (Estado Islâmico) na Síria e no Iraque, ou com os problemas causados pelo Taliban no Afeganistão… não está sendo demostrado no caso da Nigéria” – disse Samson.
O presidente da Convenção Batista da Nigéria(NBC) diz, se referindo aos cristãos: “O meu povo esta sendo morto como animais e todo o mundo está apenas assistindo”. E faz apelo para que haja intervenção internacional urgente para parar a violência do grupo radical islâmico Boko Haram, que aterroriza o país.

O presidente da
 Convenção Batista da Nigéria(NBC) fez um apelo apaixonado para que o mundo intervir contra os insurgentes do BokoRev. Samson Ayohunle-lider-da Convençao Batista da Nigeria Haram que assolam o norte e leste do país.

Em uma entrevista para Baptist World Alliance (Aliança Batista Mundial), o Rev. Samson Ayohunle expressou “consternação” com a atitude da comunidade internacional ante a face da tamanha destruição e desumanidade cometida contra o povo nigeriano, mais especificamente aos cristãos no país.

“A mesma seriedade com que está se intervendo contra os ataques do ISIS (Estado Islâmico) na Síria e no Iraque, ou com os problemas causados pelo Taliban no Afeganistão… não está sendo demostrado no caso da Nigéria” – disse Samson.

Ele acusou a comunidade mundial de desvalorizar as vidas dos nigerianos, dizendo: ” “Isso não importa para o resto do mundo se Boko Haram continua a matar centenas de pessoas todas as semanas? São essas pessoas menos humana do que aqueles que estão sendo mortas em outro lugar onde eles passaram a intervir diretamente? O meu povo está sendo mortos como animais e todo o mundo está apenas assistindo.”

Ayokunle estava respondendo ao mais recente surto de ataques de Boko Haram, um grupo jihadista que busca estabelecer a lei islâmica na Nigéria.

Boko Haram realizou o massacre em Baga no estado nigeriano do nordeste de Borno, no início de janeiro deste ano, fazendo com que umlider-cristao-nigeriano-faz-apelo-por-intervençao-contra-boko-haram-cidade-baga-corpos número desconhecido de mortos, embora estimativas variam de dezenas a mais de 2.000. Em abril de 2013, mais de 185 pessoas foram mortas e mais de 2.000 casas em Baga foram destruídos como resultado de combates entre as forças armadas nigerianas e Boko Haram.

Até 2014, o grupo matou mais de 5.000 civis em ataques que ocorrem principalmente no nordeste, centro norte e centro da Nigéria. Desde 2009, o Boko Haram raptou mais de 500 pessoas, incluindo o sequestro de 276 estudantes de Chibok em abril de 2014. Estima-se que 1,5 milhão fugiram de suas casas por causa de ameaças e ataques.

“A situação é patético.” Ayokunle declarou. “As principais metas em todos estes ataques são os cristãos primeiros e qualquer outra pessoa que se oponha a eles. Qualquer cidade que entrar, depois de matar os cristãos lá, eles vão em frente para derrubar todas as igrejas não poupando as mesquitas. Grandes cidades cristãs, tais como Gwoza e Mubi entre outros caíram para eles. cristãos em cidades como Michika e Baga também estão na corrida. “

O líder Batista nigeriano disse que “a igreja está sob o cerco de severa perseguição.” Batistas foramgrupo radical islamico-boko-nigeria-suspostos autores diretamente afetadas. “Nenhuma igreja cristã está de pé mais em Mubi, onde mais de 2.000 batistas fugiram da cidade através dos Camarões quando Boko Haram atacaram.”

Estes cristãos batistas, disse ele, voltou para a Nigéria através de uma outra cidade chamada Yola no Estado de Adamawa, mas nunca paralider-cristao-nigeriano-faz-apelo-por-intervençao-contra-boko-haram suas casas novamente. “Eles tornaram-se deslocado e agora estão vivendo em campos de refugiados correndo por comida, sem alojamento decente e nu.”

Ayokunle disse edifícios Batista, incluindo os gabinetes das secretarias de Fellowship Baptist Conferência da NBC, foi queimado em Mubi, e na casa do presidente da conferência foi vandalizado. O presidente da conferência e pastores batistas fugiram para a cidade de Jos, no estado Plateau, outra região que tem sido atacado por Boko Haram. “Nossa Baptist High School, em Mubi foi fechado enquanto Escola nossos Pastores Batistas ‘em outra cidade vizinha, Gombi, foi indefinidamente desligado.”

Ele agradeceu o apoio da oração dos batistas e outros cristãos e solicitou apoio financeiro para ajudar aqueles que foram deslocadas pelos ataques terroristas. “Continue a se juntar a nós em oração para que as portas do inferno não pode prevalecer contra a Igreja de Cristo na Nigéria.”


nformação Baptist World Alliance 

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Freira implora por cristãos estuprados, vendidos e mortos pelo ISIS -

Refugiados vivem 'como animais' em campos de refúgio
Leo Hohmann

É a temporada de "paz na Terra", mas a irmã Hatune Dogan sente um calafrio no seu espírito, que só poderia ser sentido em um tempo de guerra.

Hatune Dogan
A freira cristã ortodoxa o sente a cada nova atrocidade cometida contra as minorias Yazidi e cristãs da Síria e do Iraque. Ela o sente nas igrejas queimadas em todo o Egito e na matança de crianças inocentes no Paquistão.
Por esta razão, ela trouxe uma palavra de advertência para os americanos em uma visita na semana passada em Minnesota, onde ela falou com vários grupos de igrejas.
O clima político de hoje lembra o de 1915 e em sua pátria, a Turquia, quando sua família sofreu a crueldade do califado otomano, que massacrou 3 milhões de cristãos e reduziu outros à condição de cidadãos de segunda classe sob a subjugação ou "dhimmitude".
O ISIS não tem nada de novo, disse ela, é apenas o ressurgimento do lado negro do Islã.
"O ISIS não é fanático. O ISIS não é mais terrível. O ISIS representa os crentes muçulmanos reais que gostam de seguir o Corão e a Maomé", disse o fundador da Warburg, a Fundação da Irmã Hatune sediada na Alemanha, uma organização de ajuda em nível mundial, que foi homenageada pelo governo alemão por sua dedicação aos direitos humanos.
"Outros dizem que eles é que são muçulmanos. Eles dizem acreditar no Corão, mas eles não o seguem", disse ela.
Os cristãos armênios representam cerca de metade dos 3 milhões de pessoas que perderam a vida na Turquia, mas a outra metade era de cristãos de várias origens étnicas – ortodoxos gregos, ortodoxos sírios e protestantes. Todos sentiram as crueldades da guerra santa islâmica contra as suas cabeças.
A irmã Hatune chegou na última quinta-feira (18/12/2014) no aeroporto de Atlanta para uma parada em seu caminho de volta para a Alemanha. Ela estava vestida com roupas pretas tradicionais e um hábito que cobre o cabelo dela. Ela usava um crucifixo simples de madeira ao redor de seu pescoço e levou com ela uma cópia já gasta pelo uso do Corão, que se tornou seu companheiro constante por onde passa para ensinar sobre a atual situação no Médio Oriente.
Ela acredita que os cristãos do Ocidente precisam saber o que está escrito no livro sagrado dos muçulmanos. Se o fizessem, eles iriam perceber que tudo o que o Estado islâmico, também chamado de ISIS, está fazendo já foi feito no passado por muçulmanos devotos que conquistaram um povo e que eles veem como "infiéis".
Onde estão todos os cristãos?
A irmã Hatune aponta para o fato de que 96 por cento das pessoas que povoaram o Oriente Médio, na virada do século VIII, eram cristãos. Agora, a população cristã diminuiu para 6 por cento. A Turquia já foi quase toda cristã, mas agora é 0,03 por cento cristã. O Iraque tinha 1 milhão de cristãos sob Saddam Hussein, mas agora apenas alguns milhares permanecem e as igrejas de Bagdá estarão quase vazias neste Natal.
"Onde estão os cristãos? Onde estão essas pessoas? Basta perguntar a si mesmo", disse a freira destemida, cuja língua nativa é o aramaico.
Sua família viveu inicialmente na Turquia, como judeus, mas depois toda a sua aldeia se converteu ao Cristianismo.
Nascida em 1970, a filha do meio entre 10 filhos, a irmã Hatune aprendeu a falar 13 línguas, mas nenhuma a torna mais orgulhosa do que o aramaico.
"Esta é a língua de Jesus", ela disse ao WND.
A Fundação Irmã Hatune funciona em 35 países com Mateus 25:34-40 como a sua declaração de missão – alimentando, vestindo, abrigando e prestando assistência médica aos pobres e perseguidos do mundo. Ela tem feito viagens regulares para o Oriente Médio desde 2005, e o ISIS apresenta um novo desafio: tentar resgatar as crianças órfãs de suas garras.
A irmã Hatune voltou para seu convento na Alemanha por apenas alguns dias antes de ela fazer outra viagem ao Oriente Médio para celebrar o Natal com os cristãos perseguidos. Ela estava com eles em novembro, quando ela visitou os campos de refugiados no Iraque, na Jordânia, no Líbano e na Turquia. Ela também foi furtivamente para a Síria para se reunir com os cristãos de lá.
"Eles precisam de seu apoio. Sem o seu apoio eles não podem continuar", diz ela em um vídeo mostrando como é um grupo de refugiados de Yazides. "Eles vivem como animais. Morrendo de fome. Sem nenhum alimento. Sem saúde. Ninguém deveria ter que viver assim".
É uma situação difícil que ela conhece muito bem. A pergunta "O que aconteceu com todos os cristãos?" é puramente retórica e completamente pessoal. Sua família viveu durante o genocídio de 1915, na Turquia, país de onde seus pais fugiram em 1985.
Sua tia-avó, Sarah, viveu a perseguição em Zaz, uma pequena aldeia no sudeste da Turquia, em 1915.
"Ela tinha 18 anos de idade, muito bonita. Um dos homens muçulmanos a viu e disse: 'Ela é linda. Ela pertence a mim'", disse a irmã Hatune.
Sarah tinha quatro irmãos, a mãe e o pai, vários primos, tias e tios que viviam na aldeia.
"Doze ao todo, em outubro de 1915, eles os mataram na frente de seus olhos", disse a irmã Hatune, apontando com as mãos e falando com um forte sotaque. "Atiraram neles diante de seus olhos".
A operação foi realizada por jihadistas islâmicos, ambos os turcos e os curdos, com a bênção do exército turco.
"Foi planejado", disse ela.
Ao todo, 365 membros da igreja de sua família, St. Demetrios, foram assassinados, o que representa cerca de metade da população da aldeia.
"Primeiro eles atiraram neles. Mais da metade ainda estavam vivos quando eles os queimaram vivos na igreja, em 1915, na minha aldeia", disse ela.
Sua bisavó tinha dois filhos e foi forçada em 1921 a implorar aos seus senhores muçulmanos para deixá-la manter um deles e criá-lo como um cristão.
É a mesma experiência que está ocorrendo hoje sob o ISIS no Iraque e na Síria.
"As moças mais bonitas eles tomam para serem suas esposas e dizem: 'agora você tem de ser muçulmana'", disse a irmã Hatune.
As outras são forçados a se converterem ou morrerem. Muitas foram mortos na frente de seus pais. Ela tem um vídeo contrabandeado para fora do Iraque, que mostra três meninos, em torno de 5 ou 6 anos de idade, sendo psicologicamente atormentados por seu eventual assassino.
"Digam-me a cabeça de quem devo cortar em primeiro," o homem pergunta a eles em árabe.
Uma longa faca de açougueiro está pronta em uma mesa ao lado dele.
"Vamos colocar a cabeça aqui", diz ele, enquanto os meninos gritam de terror.
Eles dão um passo atrás, mas os limites da pequena sala não deixam espaço para onde correr.
Quando nenhum dos meninos dá um passo à frente para oferecer o pescoço, o homem grita: "Venham todos vocês. Venham todos vocês!".
Ele pega um dos meninos. O de camisa branca. O menino grita e os outros dois choram.
"Você é do ISIS?", O homem grita para o menino que está gritando. "Você é do ISIS?".
"Não!", O menino responde em meio às lágrimas.
Todos os três foram decapitados. A freira disse que recebeu o vídeo de um parente dos três rapazes.
Em outro vídeo, filmado em 2013, três padres cristãos são mostrados sendo levado para fora em um campo com as mãos amarradas. Um homem muçulmano luta com um sacerdote e joga-o no chão e corta-lhe a cabeça, enquanto várias centenas de muçulmanos gritam: "Allahu Akbar! Allahu Akbar! Allahu Akbar!".
Irmã Hatune segura no colo um menino desnutrido na Índia, uma das dezenas de países em que a sua fundação trabalha.
‘Eu acredito em Ação’
Baseando-se em seu próprio historico de família, a irmã Hatune recentemente terminou o trabalho de seu 13º livro, "I Believe in Action" (Eu acredito em ação), escrito para comemorar o 100º aniversário do genocídio cristão na Turquia. Neste livro, ela compara a vida de Jesus com a de Maomé, o principal profeta do Islã.
"Eu não escrevo da minha cabeça. São todos fatos", disse ela. "Maomé veio e trouxe a morte, a decapitação, a pedofilia. Ele dormiu com uma menina de 9 anos de idade, casou-se quando ela tinha 6 anos de idade. Sabemos porque ela diz isso no Hadith. No Iêmen hoje, onde a xariá é a lei, eles têm que se casar com a menina antes de sua primeira menstruação, no máximo aos 13 anos de idade, porque está escrito".
A irmã Hatune folheia o seu Corão e encontra um outro verso que diz esse livro que leva os muçulmanos a assassinarem os cristãos no Oriente Médio.
"Vinte e cinco vezes no Corão diz para matarem os cristãos, porque estamos envolvidos em politeísmo", disse ela, explicando que os muçulmanos não entendem o conceito da Santíssima Trindade.  “Além disso, o Corão diz para não fazer amizade com os cristãos”.
A Europa está a caminho de se tornar o próximo campo de batalha do Islã, em especial na Bélgica e na França, onde os muçulmanos representam de 6 a 10 por cento da população. O país de adoção da irmã Hatune, a Alemanha, tem pelo menos 4 por cento de muçulmanos e tem mais de 4.000 mesquitas.
"A mesquita não é apenas para a oração", disse a freira. "É para se prepararem para matar o incrédulo e controlarem o mundo".
No Corão há 97 versos contra o incrédulo.
"E há versos contra os cristãos que dizem que Deus é Pai, Filho e Espírito Santo, ou que Jesus é o Filho de Deus. Eles têm de ser decapitados, a cabeça cortada no pescoço; nenhuma outra interpretação. Isto é o que os muçulmanos estão fazendo. Os muçulmanos normais, que são realmente muçulmanos, têm que seguir esta regra", disse ela. "Nunca haverá paz na Terra se esses versículos do Corão não forem parados. Está no Corão, no Hadith e na Sunna 36.800 vezes, as palavras 'corte', 'mate' ou 'ataque'. Como pode haver paz na Terra?".

O Corão também dá permissão aos homens muçulmanos para estuprarem meninas e mulheres que são mantidas em cativeiro como escravas (Sura 23:5-6).
Em cidades conquistadas, o ISIS tem marcado as casas dos cristãos com um símbolo vermelho do Nazareno. Em seguida, são visitadas por combatentes do ISIS que trazem horrores indizíveis sobre as famílias.
A irmã Hatune diz que isto é justificada pela Sura 5:33 do Corão, que afirma:
"De fato, a pena para aqueles que travam uma guerra contra Alá e Seu Mensageiro e se esforçam na terra [para causar] corrupção é nenhuma outra senão que eles sejam mortos ou crucificados ou que suas mãos e pés sejam cortados a partir dos lados opostos ou que sejam exilados da terra".
Os defensores do islamismo no Ocidente dizem que o versículo é tirado de contexto por "islamofóbicos", mas a irmã Hatune acredita no contrário.
"Aqueles entre nós, cristãos do Oriente Médio. Nós os conhecemos. Sabemos as suas regras", disse ela.
Hoje, existem 57 países islâmicos que vivem sob a lei islâmica.
"A educação não é permitida para as meninas. As mulheres são criadas para o sexo para os seus senhores", disse ela. "Se ela for estuprada ela tem que trazer quatro homens com ela como testemunha. Claro que isso é impossível, então ela será apedrejada. Existem muitas mulheres e meninas que morrem de apedrejamento".
A irmã Hatune lembra de ir para a escola na Turquia quando era uma jovem. Mesmo que todos na sua aldeia fossem cristãos, nenhum cristão era autorizado a ocupar posições de autoridade sob a lei islâmica, porque todos os seus professores eram muçulmanos. Se as crianças cristãs fossem pegas indo à igreja o professor iria surrá-las, geralmente, batendo as mãos com uma haste de metal.
Ela disse que o governo turco confiscou todas as armas dos cristãos antes de lançar uma jihad violenta contra eles.
"Aldeia por aldeia eles vinham e diziam: 'Se você não der suas armas vamos colocá-lo na prisão por sete anos'", disse ela.
Com a idade de 14 anos, a irmã Hatune deixou a Turquia com seus pais, em 1985, encontrando refúgio na Alemanha. Ela se juntou a um mosteiro chamado Irmãs Servidoras de Cristo quando tinha 16 anos.
"Nós éramos uma família rica. Eles ameaçaram meu pai de cortá-lo aqui", disse ela com um puxão na parte inferior de sua orelha. "Ele fugiu. Ele disse que isso foi o suficiente. Temos de deixar tudo e ir embora".
Theodore Shoebat, filho de um ex-terrorista palestino que virou cristão, Walid Shoebat, descreveu a Irmã Hatune em 30 de dezembro de 2013 em um artigo como uma moderna Madre Teresa dos dias atuais.
"A disposição de Hatune para ajudar os perseguidos é tão imensa que ultrapassa o que alguém está fazendo hoje no Oriente Médio", escreveu Shoebat. "Ela já visitou 38 países e trabalhou no Ministério da Caridade e Serviço Social no Zimbabwe, na Turquia e na Índia. Seus atos de justiça naturalmente recebem a ira vociferante dos jihadistas, nas palavras de Dogan, 'eu recebo 18 ameaças de morte em sete línguas'".
Uma mensagem para a América
A irmã Hatune veio para a América na semana passada para buscar doações para o seu ministério para as minorias perseguidas do Iraque, da Síria, do Egito e da Índia. A maioria destas minorias são cristãos, mas muitos no Iraque e na Síria são da antiga seita Yazidi. Em um vídeo, a Irmã Hatune aparece em um campo de refugiados Yazidi cercada por famílias que não têm nada, senão as roupas do corpo.
Ela veio para a América com um pedido de ajuda. Mas ela também veio com uma mensagem para os americanos.
"A América está convidando seus próprios assassinos para a sua porta", disse ela, referindo-se à política dos Estados Unidos de acolher os refugiados muçulmanos através do programa de refugiados das Nações Unidas.
O site WND relatou em 11 de dezembro que a ONU indicou 9.000 refugiados, em sua maioria muçulmanos da Síria, para o reassentamento em cidades norte-americanas e os EUA aceitaram quase 2 milhões de pessoas de países muçulmanos desde 1992.
"Você já tem uma sociedade paralela na América", disse a irmã Hatune. "Em 50 anos eles vão matar aos seus netos diante de seus olhos. O Oriente Médio já está aqui nos Estados Unidos. É aqui. Não é muito longe daqui. Ele está à porta de cada americano".
Essa é uma mensagem que muitas igrejas em Minnesota não estavam prontas para ouvir, disse Debra Anderson, que dirige uma seção local da ‘Aja em favor da América’ e patrocinou a recente visita da Irmã Hatune.
"Ela queria fazer algo na prática. Ela sentia que a fé sem obras era morta", disse Anderson. "Mas foi difícil convencer outros a convidá-la para falar em igrejas em Minnesota. Alguns não queriam convidá-la por causa de sua mensagem. Eles acham que ela critica muito os governos muçulmanos".
Um grupo da igreja que a convidou para falar deu-lhe uma recepção que Anderson descreveu como "gelada".
Eles visitaram uma ordem de freiras católicas e "cinco ou seis delas saíram de perto no fim de sua apresentação", disse ela.
"Algumas das fotos do sofrimento humano, que ela mostrou em sua apresentação, eu acho que elas ficaram realmente abaladas", disse Anderson. "Eu não sei se elas já tinham sido contestadas em sua forma de pensar assim. Mas eram todos fatos. Dissemos a elas para verificarem com outros especialistas.
"Mas tinha esta freira que apenas veio me interromper e dizer, 'Eu não vou ouvir mais nada dela'", disse Anderson. "Eu sofri para conseguir levá-la para as igrejas. Eu realmente sofri".
Anderson disse que colocou um pedido para falar em locais para cerca de 800 pessoas em sua lista de e-mail que representam diversas denominações cristãs.
Apenas alguns responderam com convites.
Uma das freiras do convento em Minnesota interrompeu a apresentação da irmã Hatune com uma preocupação específica.
"Irmã, isso é o suficiente", disse ela, expressando sua preocupação sobre a potencial reação contra os muçulmanos na comunidade se a documentação da irmã Hatune chegasse a ser amplamente divulgada.
Mas enquanto alguns rejeitaram os casos de milhares de meninas sendo estupradas e as imagens de cristãos sendo crucificado pelo ISIS ou de muçulmanos jogando futebol com as cabeças de suas vítimas, outros reagiram vindo depois e perguntando como eles poderiam obter mais informações e possivelmente envolver-se em ajudar os cristãos perseguidos.
"Minha missão é ajudar as pessoas que sofrem onde eles estão", disse a irmã Hatune. "Eles não podem vir a mim, então eu vou a eles. Cem por cento das doações vão para as pessoas que sofrem. Somos todos voluntários. Nós somos totalmente independentes. Nós não temos nenhum grande doador agora. Eu gostaria. Temos dois peixes e cinco pães, e Deus os está multiplicando".
O trabalho é realizado por 5.000 voluntários com uma equipe que não recebe nenhum salário, disse a irmã Hatune.
Um homem idoso alemão deixou para a freira ortodoxa um pequeno salário para viver, quando ele morreu. Ela paga de seu próprio bolso para viajar, ou tem um patrocinador que paga o seu voo, como foi o caso com a sua viagem para Minnesota.
Agora ela está fazendo planos para voltar ao Oriente Médio no Natal, na esperança de trazer alguns presentes para as crianças.
Um dos que ouviram a mensagem dela perguntou se ela estava com medo.
"Todo mundo tem medo", disse a irmã Hatune. "Mas eu sou chamada para demonstrar solidariedade. Você faz isso, não com conversas, mas com ação, com o dever. Jesus é o meu guarda-costas".
A freira diz que a cultura islâmica é, basicamente, "como um cão", que deve ser confrontado. Se há um vazio ou uma fraqueza na cultura cristã, os muçulmanos vão sentir a fraqueza e continuar a marcha para frente e intimidar a cultura nativa.
"Você não pode ter medo da cultura do Islã", disse ela. "Se você correr, eles vão vir atrás de você como faz o cão. Você deve defender seu território. Eu não digo lutar. Digo resistir. Eu digo-lhes: 'Pare. Eu não quero você. Eu tenho meu próprio Deus’. Eles vêm aqui pensando em conquistar o país. Se eles não aceitam o modo de vida americano, que voltem para suas terras originais. O governo tem que entender isso".

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Cristãos seguram fotos de parentes sequestranos na Líbia


Charges contra o Profeta Maomé causa destruição em 40 igrejas no Niger

Mais de 40 igrejas cristãs incendiadas no sábado no Níger

Niamei, 19 Jan 2015 (AFP) - Um total de 45 igrejas foram incendiadas no sábado em Niamey, capital do Níger, durante as manifestações contra as charges do profeta Maomé publicadas pela revista satírica francesa Charlie Hebdo, anunciou nesta segunda-feira o porta-voz da polícia.

No total, "45 igrejas, cinco hotéis, 36 bares, um orfanato e uma escola cristã foram saqueados antes de serem incendiados", disse Adily Toro, porta-voz da polícia, em uma coletiva de imprensa.

Nas manifestações morreram cinco pessoas e 128 ficaram feridas, acrescentou o porta-voz, que informou sobre 189 detidos.

Entre os feridos figuram 94 membros das forças de segurança e 34 manifestantes, e entre os detidos há dois menores, indicou Toro.

"A bandeira francesa foi queimada durante esta manifestação contra a Charlie Hebdo em Niamey", acrescentou o porta-voz.

As manifestações de sábado e domingo em Niamey, onde foram vistos cartazes do Boko Haram, foram similares em Zinder, a segunda cidade do país, explicou o porta-voz.

No domingo, 300 pessoas, respondendo a uma convocação da oposição, protestaram na capital, apesar da proibição do governo.

O governador de Niamey, Hamidou Garba, anunciou no domingo a detenção de 90 pessoas. Segundo a imprensa local, entre os detidos há líderes opositores.

Nas manifestações contra a Charlie Hebdo na sexta-feira em Zinder morreram cinco pessoas e 45 ficaram feridas, e o centro cultural frango-nigerino da cidade foi incendiado, assim como várias igrejas.

Igrejas brasileiras são atacadas no Níger - Brazilian churches are attacked in Niger

Igrejas brasileiras são atacadas no Níger
LEANDRO COLONDE LONDRES


A onda de ataques no Níger (norte da África) contra a charge de Maomé na atual edição do jornal francês "Charlie Hebdo" destruiu no sábado (17) duas igrejas presbiterianas brasileiras na capital, Niamey.

Outras duas igrejas e uma escola sob o comando de missionários do Brasil, que pertencem a uma ONG protestante, também foram atingidas, segundo relato à Folha, por telefone, de brasileiros que moram na cidade.

A comunidade brasileira no Níger –estima-se que seja de pelo menos 32 pessoas– foi orientada pelo Itamaraty a não sair de casa por causa dos protestos, que buscam símbolos cristãos e locais vinculados a franceses.

A Folha apurou que a embaixada do Brasil no vizinho Benin, responsável pela diplomacia no Níger, avalia retirá-los do país se a situação se agravar. Informações preliminares passadas ao governo brasileiro apontam a possibilidade de que o grupo extremista Boko Haram, da vizinha Nigéria, esteja ligado aos protestos.

Boureima Hama/AFP Photo

Manifestante queima pneus durante onda de protestos que já deixou dez mortos e destruiu símbolos cristãos no Níger
Desde sexta-feira, dez pessoas morreram e cerca de 20 templos cristãos foram atacados no país, predominantemente muçulmano e um dos mais pobres do mundo.

Dois templos da Igreja Presbiteriana Viva, com sede em Volta Redonda (RJ), foram incendiados e saqueados, contou o pastor brasileiro e responsável pela administração, Roberto Gomes, 36.

Um deles, que comporta cem pessoas, foi atacado pela manhã, horas antes de um encontro bíblico frequentado por moradores locais.

Gomes foi informado pelo zelador de que o espaço havia sido destruído e, desde então, trancou-se em casa com a mulher e dois filhos.

"Estou em estado de choque. Moro aqui desde 2009, na África há 14 anos, e nunca vi algo parecido", disse. "A relação com os muçulmanos sempre foi tranquila. Só pode ser coisa do Satanás", afirmou Gomes.

Ele abriga desde sábado a família do missionário brasileiro Jefferson Garcia, 37, coordenador de duas igrejas e uma escola da ONG World Horizon, do Reino Unido.

"A escola, para 350 pessoas, foi destruída e botaram fogo nas igrejas. Roubaram televisão, armários, tudo. Queimaram até um cachorro guardião do local", disse ele, que vive há três anos no país.

Por temer ataque à sede da ONG, onde mora com a mulher e a filha de três anos, Garcia retirou a placa de identificação e buscou refúgio na casa do pastor.

"Esperei dar 19h, quando muitos muçulmanos estão na mesquita, para fazer o trajeto de 5 km de carro. Vi muita fumaça pela cidade", contou.

Segundo ele, são sete brasileiros como missionários da ONG no Níger, outros 12 trabalhando para a igreja de Volta Redonda e os demais para missões de outras entidades evangélicas.

ORIGEM

Os protestos no Níger começaram na sexta-feira (16) por causa da publicação do "Charlie Hebdo". Foi a primeira edição do jornal após o ataque à sua sede, em Paris, que matou 12 pessoas.

Os autores do atentados, os irmãos Said e Chérif Kouachi, justificaram o ato em razão das sátiras que o semanário faz de Maomé, profeta do islamismo. Ambos foram mortos pela polícia.

Uma semana depois, o jornal voltou a circular, com uma capa que traz Maomé chorando e segurando o cartaz "Je Suis Charlie" (Eu Sou Charlie) -acima, a frase: "Tudo está perdoado".

A capa recebeu críticas de lideranças religiosas islâmicas. O presidente do Níger, Mahamadou Issoufou, tem sido atacado por ter participado da marcha em Paris contra os atentados que mataram 17 pessoas (além das 12 no "Charlie", quatro em um supermercado judaico e uma policial em um tiroteio).

O redator-chefe do jornal, Gerard Biard, defendeu a publicação no domingo (18). "Cada vez que desenhamos a caricatura de Maomé, de profetas, de Deus, defendemos a liberdade de religião", disse. "Deus não deve ser uma figura política ou pública, mas sim privada."

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

I accuse the UN United Nations and NATO to promote one of PACT SILENCE while thousands of Christians are being decimated and the only UN concern is GAY AGENDA and it seems to be enjoying the fact that the elimination of Christians. Rev. Washington Albernaz

Estou horrorizado. Enquanto todo o mundo olha para Paris e se solidariza com os atentados franceses, islamitas radicais utilizam meninas de 10 anos para realizar seus atentados suicidas na Nigéria. Meninas de 10 anos!
O acontece na Nigéria é um verdadeiro genocídio de cristãos. Peça ao secretário geral da ONU que freie essa tragédia:
Na semana passada, o grupo Boko Haram exterminou uma população inteira: entre 2.000 e 3.000 pessoas. A maioria eram crianças e idosos que não puderam fugir. Os poucos sobreviventes relatam com lágrimas nos olhos a tragédia: entraram com armas automáticas e lança-granadas, dispararam contra tudo e contra todos. Imagine como foi horrível, Washington.
Um massacre. Como se não fosse suficiente, no último final de semana utilizaram meninas de 10 anos como ativistas "suicidas”. Um horror! No ataque de sábado morreram 19 pessoas e outras 10 no domingo.
Tudo isso se soma ao seqüestro de 200 meninas no ano passado, aos 15.000 assassinatos, aos 135.000 que fugiram para o Níger, Camarões e Chad e aos 850.000 que tiveram de se deslocar internamente. O que a comunidade internacional espera para intervir?
O presidente da Conferência Episcopal nigeriana, Mons. Ignacio Ayan Kaigama pede que se realize uma manifestação de solidariedade como a que ocorreu em Paris por causa dos atentados. "Não à violência por causa das divisões políticas, étnicas e religiosas”, disse o bispo.

O Papa Francisco também denunciou os atentados em sua viagem ao Sri Lanka:
"Pelo bem da paz, nunca se deve permitir que as crenças religiosas sejam utilizadas para justificar a violência e a guerra".
Como se não fosse suficiente, Boko Haram - aliado do Estado Islâmico - pretendeu tomar a base militar do lago Chad na fronteira com o Níger, Chad e Camarões. Não tiveram sucesso e provocaram 143 baixas, mas o problema se internacionaliza.
O exército nigeriano solicitou ajuda internacional. Foi enviada uma mensagem de solidariedade do escritório de Direitos Humanos de Genebra e o secretário geral da ONU, Ban Ki Moon, disse que a ONU está disposta a intervir. O que esperam? Serão necessários mais quantos mortos para que haja intervenção? Ninguém se importa porque os mortos são de um país pobre? Ou não se importam porque a maioria são cristãos?
No próximo dia 14 de fevereiro haverá eleições presidenciais e a tranqüilidade do processo não está garantida. Você acredita, Washington, que nas condições atuais os nigerianos estão preparados para eleições verdadeiramente livres e democráticas?
Washington, muito obrigado por apoiar esta campanha. É um escândalo que a tragédia que ocorre na Nigéria tenha sido virtualmente ignorada pelos meios de comunicação, como se os nigerianos fossem cidadãos de segunda classe. Como se valessem menos por serem africanos ou cristãos. Vamos frear esse genocídio!
Um forte abraço.

Guilherme Ferreira e toda a equipe de CitizenGO