sábado, 29 de novembro de 2014

CRIANÇAS E MULHERES ESTÃO SENDO BRUTALMENTE VIOLENTADAS E MORTAS PELOS MULÇUMANOS RADICAIS

CRIANÇA CRISTÃ É DECAPITADA E MOSTRADA COMO TROFÉU NA SÍRIA !

Mulheres Cristãs são estupradas e assassinadas, além de crianças na Síria

"Quem me acompanha sabe que a anos venho denunciando e mostrando os massacres cometidos contra Cristãos, principalmente Evangélicos em vários lugares do mundo. Mulheres e crianças estupradas e mortas e homens sendo queimados vivos e decapitados. Já fui algumas vezes ameaçado por e-mail, uma Irmandade Muçulmana de um País do mundo descobriu meu endereço e me ameaçou de morte, já fui "alertado" para não mostrar mais os vídeos que tenho recebido que mostram Cristãos sendo queimados vivos, espancados e degolados. A maldade não tem limites, já fiquei noites sem dormir tamanha a brutalidade das cenas que vi. Mas continuo alertando, pois o mundo precisa acordar e saber que inocentes tem sido barbarizados por cometerem o "crime" de crerem em Jesus Cristo."

Vini Silva

________________________________________

Criança Cristã é decapitada na Síria: O sinal de extremismo e fanáticos, as longas barbas, está presente em todos a cada um destes muçulmanos sub humanos que matou essa criança pequena, em sua jihad de Alá - inspirado pelo Alcorão.

Este vídeo é escrito com uma falsa propaganda alegando que 'forças sírias' matou uma criança "rebelde". Nova avaliação da situação na Síria mostram que mais da metade dos chamados combatentes da liberdade são terroristas. Em outras palavras, toda a 'luta' é chumbo terrorista.

Estes extremistas têm vindo a utilizar os seus próprios crimes como propaganda em seus três anos de homicídios, como o gáz químico que recentemente matou crianças que pertenciam a famílias de minorias alauítas perto de Latakia, seqüestrado por extremistas anti-Assad apenas algumas semanas antes.

Extremista sunita pró-argumentam que a criança é na verdade um filho "rebelde". Mas reparem bem, a criança está vestida como uma criança muçulmana? E quem está segurando a criança? O exército Sírio ou extremistas? Este é apenas um dos infindáveis número de assassinatos cometidos por extremistas muçulmanos fingindo ser "rebeldes".






.
E poucos dias atrás, a Time da Síria publicou uma foto de um rapaz sendo decapitado (abaixo). Estes são todos extremistas, contratados e financiados para trazer o terror no país por Qatar e Arábia Saudita, que entram na Síria através da Turquia e Jordânia.

Testemunha de uma execução síria : "Eu vi uma cena de máxima crueldade "

TIME Lightbox |  Thursday, September 12, 2013 | By Patrick Witty

Abaixo uma angustiante foto de militantes islâmicos publicamente executando por decapitação , um jovem Sírio na cidade de Keferghan , perto de Aleppo, em 31 de agosto de 2013.

Por causa do perigo na comunicação dentro da Síria , não foi possível confirmar a identidade ou afiliação política da vítima. Também não estamos certos sobre a motivação de seus assassinos. Uma testemunha que mora na região e foi contatado por vez por semana depois das decapitações disse que os executores eram de ISIS , uma franquia da Al- Qaeda operando na Síria e no Iraque.

Tempo obtido as imagens exclusivamente de um fotógrafo que esteve recentemente na Síria. Esta decapitação foi o último dos quatro execuções documentadas ele naquele dia. TEMPO concordou em não publicar o nome do fotógrafo, para protegê-lo de repercussão quando ele retorna para a Síria. O que se segue é um relato editada de sua experiência:

O homem foi trazido para a praça. Seus olhos estavam vendados . Comecei a tirar fotos , uma após a outra. Era para ser a quarta execução naquele dia eu iria fotografar . Eu estava me sentindo horrível , várias vezes eu tinha estado a ponto de vomitar. Mas eu mantive -me sob controle, porque como jornalista eu sabia que tinha que documentar isso, como eu tinha os três decapitações anteriores eu tinha fotografado naquele dia, em três outros locais fora Aleppo .

A multidão começou a aplaudir . Todo mundo estava feliz . Eu sabia que se eu tentasse intervir eu seria tirado, e que as execuções iria adiante . Eu sabia que não seria capaz de mudar o que estava acontecendo e eu poderia me colocar em perigo.

Eu vi uma cena de crueldade absoluta : um ser humano ser tratado de uma forma que nenhum ser humano jamais deveria ser tratado. Mas parece- me que, em dois anos e meio, a guerra tem a humanidade das pessoas degradadas. Neste dia as pessoas na execução não tinha controle sobre seus sentimentos , seus desejos , sua raiva . Era impossível detê-los.

Eu não sei quantos anos a vítima estava , mas ele era jovem. Ele foi forçado a seus joelhos. Os rebeldes ao seu redor leram seus crimes a partir de uma folha de papel. Eles ficaram ao redor dele. O jovem estava de joelhos no chão , com as mãos atadas. Ele parecia congelado.

Dois rebeldes sussurrou algo em seu ouvido e o jovem respondeu de uma forma inocente e triste, mas eu não conseguia entender o que ele disse , porque eu não falo árabe.

No momento da execução, os rebeldes agarrou sua garganta. O jovem tentou lutar. Três ou quatro rebeldes o seguravam. O homem tentou proteger sua garganta com as mãos , que ainda estavam amarrados juntos. Ele tentou resistir, mas eles eram mais fortes do que ele, e eles cortaram sua garganta. Eles levantaram a cabeça no ar. Pessoas acenaram suas armas e aplaudiram. Todo mundo estava feliz que a execução tinha ido em frente .

Aquela cena na Síria, naquele momento, era como uma cena da Idade Média , o tipo de coisa que você lê em livros de história. A guerra na Síria chegou a um ponto onde uma pessoa pode ser impiedosamente mortos na frente de centenas de pessoas que apreciam o espetáculo .

Como ser humano eu nunca teria desejado viver para ver o que eu vi. Mas como jornalista eu tenho uma câmera e uma responsabilidade. Eu tenho a responsabilidade de compartilhar o que eu vi naquele dia. É por isso que eu estou fazendo essa afirmação e é por isso que eu tirei as fotografias. Vou fechar este capítulo em breve e tente nunca se lembrar dele.



Vejam o vídeo abaixo


Semanas antes, uma Vila Cristã foi brutalmente e covardemente atacada com armas químicas segundo a ONU por rebeldes Muçulmanos o que resultou na morte por envenenamento de dezenas de crianças Cristãs, nesse novo massacre das forças do regime sírio, passaram a queimar 13 pessoas vivas, incluindo quatro mulheres e seis crianças em Tartous
De acordo com os comitês de coordenação local da Síria, milícias muçulmanas do regime ceifou a vida de 13 mártires, incluindo quatro mulheres e seis crianças, perto de Beida área da cidade, "Banias" Tartous Governorate.

A Autoridade Geral para a revolução da Síria contou que gangues de Assad haviam juntado mulheres e crianças em um quarto, e, em seguida, queimados vivos, deixando seus corpos, mas cinzas.

Jornal Observatório documentou  para os Direitos Humanos que foram mortas 145 pessoas no resultado final das vítimas do que ele descreveu como "massacre sectário" que teve lugar em Banias oeste da Síria há duas semanas nas mãos das forças regulares.

O observatório disse em um comunicado na quinta-feira que têm vindo documentar o martírio durante o sectario massacre, que ocorreu na cidade de Banias, depois que ele virou o destino de dezenas de pessoas desaparecidas que estavam dentro de suas casas queimadas ou sob as ruínas, foi enterrado confidencialmente pelas forças de segurança."

O Observatório apontou que "na manhã do terceiro deste mês, realizada por forças de segurança sírias apoiadas por tropas de Defesa Nacional, que pertence elementos à seita alauíta, um ataque ao bairro da primavera Ras localizado no sul da cidade de Banias.

Ele ressaltou que foi "destruindo e queimando um monte de casas", e que os que estavam no chão foram mortos com facas."

51 pessoas foram mortas no dia anterior na aldeia vizinha de Baida a Banias, em um processo similar.
De acordo com o Observatório - 34 crianças com idade inferior a 16 anos, incluindo crianças, e quarenta mulheres algumas com mais de sessenta anos foram mortas.
O Observatório confirmou que este "massacre foi cometido pelos serviços de segurança sírios e as milícias armadas muçulmanas leais a ele em uma base sectária".

 Veja a foto abaixo







VEJAM ESTE VÍDEO ABAIXO




Na matéria abaixo uma Jovem Cristã foi estuprada por 20 muçulmanos teve os olhos arrancados e  em seguida foi morta de uma maneira brutal

Aleppo - quarta-feira 3 de abril, 2013 - Cerca de 312 famílias que estavam em Jabal Saydeh (Sheikh Maksoud), no momento da invasão pela ASL e Forsat al-Nosra 23 delas permaneceram sitiadas

Uma mãe Cristã resgatada, que foi testemunha ocular relatou que 13 mulheres, entre elas as meninas e suas mães, foram brutalmente estuprada antes de serem abatidas com suas famílias

Além disso, duas enfermeiras curdas trabalhando para o Hospital al-Mahabbeh Hospital também viram esse ato e relataram aos jornalistas
Contaram ainda que elementos armados da al-Nosra começaram a dizer nos os alto-falantes da torre Minaretes dois distritos de Aleppo, que ainda não são investidos a força total da Forsat al-Nosra, Soulaimanieh e Syriane al-Jadideh aos Cristãos .
E ainda mandaram recado ao Ocidente "não estavam cientes de pogroms cristãos na Síria?"

A FOTO ABAIXO É DE UMA DAS 13 MOÇAS CRISTÃS QUE FOI ESTUPRADA E ASSASSINADA

O texto árabe que acompanha a foto diz que esta jovem cristã foi estuprada por vinte islamitas sunitas, antes de ser torturada, ter seus olhos arrancados e brutalmente assassinada. "

Leiam agora o que ela disse antes de ser morta e entendam porque o mundo tem que defender os Cristãos desses assassinos religiosos fanáticos..

"Eu sou o trigo de Cristo, e os dentes dos animais vai moer-me e me transformar em um pão saboroso."



Essa bela Jovem Cristã que nada fez, foi barbaramente brutalizada, torturada, estuprada por 20 monstros, teve seus olhos arrancados e morta por esses demônios muçulmanos e, antes de ser morta declarou:
"Eu sou o trigo de Cristo, e os dentes dos animais vai moer-me e me transformar em um pão saboroso."

**********
Eu, Vini Silva  confesso que chorei quando li essa reportagem num site de um Jornal do Líbano. É preciso que aqueles que falam contra os Cristãos entendam que seguir a Cristo não é ser religioso, não é fazer parte de uma religião, ao contrário, seguir a Cristo significa abandonar os dogmas e doutrinas religiosas humanas para seguir e obedecer somente os ensinos de Jesus, é romper com ensinos humanos para viver para Cristo. Eu sempre digo que nenhuma religião leva a Deus, pois estão cheias de doutrinas e dogmas humanos de homens pecadores e só servem para causar guerras e divisões.

Por isso mesmo a anos que abandonei a religiosidade, os líderes humanos e seus ensinos, para aprender somente daquele que sempre pregou o amor e a obediência ao Criador, Jesus Cristo, e, como a Palavra de Cristo sempre se cumpre, Ele alertou que todos aqueles que abandonassem os ensinos de homens para segui-lo seria perseguido e morto, pois o mundo ama o que lhe pertence, e Cristo e seu Reino não pertencem a esse mundo, por isso o mundo o odeia, assim como odeia todos que o seguem, que pertencem a Ele, que fazem sua vontade. Por isso de tanta incompreensão e perseguição aos seguidores de Cristo, até mesmo pelas religiões ditas Cristãs..
Com toda certeza essa moça, as crianças e todos os outros irmãos que foram barbarizados e assassinados pelos religiosos como verdadeiros Mártires estão descansando nos braços do Mestre..

Que Deus nos guarde desses demônios em forma de gente.
e faça justiça contra essa filosofia do inferno, que caça, tortura, estupra, brutaliza e mata Cristãos em todo o mundo em obediência a seu diabólico livro.

Boko Haram invade cultos e decapita crianças cristãs


“Vocês podem matar meu corpo, mas não matarão minha alma”, afirmou cristão torturado
por Jarbas Aragão



A mais recente onde de ataque do grupo extremista islâmico Boko Haram tem como objetivo decretar um Estado Islâmico independente dentro da Nigéria. Para isso, eles mataram todos os cristãos residentes na área que puderam.
Segundo agências internacionais, o número chega a milhares. As aldeias na região noroeste do país foram invadidas, as igrejas incendiadas, homens foram mortos e suas mulheres sequestradas, uma prática conhecida do grupo.
Mais de 100 militantes invadiram as aldeias predominantemente cristãs no momento em que o culto de domingo se iniciava. Abriram fogo contra os moradores que estavam nos templos e, empunhando seus facões, começaram a matança. Muitos cristãos foram decapitados e suas mulheres estupradas. Há registros de várias que foram sequestradas e forçadas a se “casar” com os guerrilheiros do Boko Haran. Há registro de várias crianças que foram mortas e decapitadas.
Sawaltha Wandala, 55, chegava para o culto quando viu um militante jogar uma criança de uns seis anos, aparentemente morta, dentro de uma vala. O ancião se aproximou e viu que a criança ainda estava viva. Tomou-a no colo e correu em direção ao hospital em busca de socorro.
De repente, foi parado por cinco militantes que arrancando a criança dos seus braços, e cortaram sua cabeça em pedaços diante de seus olhos. Depois, agrediram Wandala com pedaços de pau e bateram com uma pedra em sua cabeça. Ele desmaiou. Pensando que estava morto, foi deixado pelos muçulmanos.
Cenas parecidas se repetiram em quase todas as aldeias do distrito de Gwoza. Muitos cristãos fugiram pela fronteira para a vizinha República dos Camarões. Um deles foi John Yakubu, que juntamente com sua família tentou encontrar abrigo. Dias depois, ele voltou para a aldeia de Attagara para tentar recuperar alguns de seus animais.
Chegando em casa, pegou seus poucos pertences, incluindo a Bíblia da família. Ao ser surpreendido por soldados do Boko Haram, foi lhe dada uma escolha: “Você precisa se converter ao islamismo, ou então terá uma morte dolorosa.”
John recusou a oferta. Amarraram seus pés e mãos a uma árvore e o torturaram. Faziam cortes profundos nas mãos de John e zombavam da sua fé: “Você pode se tornar um muçulmano agora?” Ele simplesmente respondia: “Vocês podem matar meu corpo, mas não matarão a minha alma!”
Após vários ferimentos pelo corpo, com facas e até um machado, John sangrou muito, até perder a consciência. Os terroristas o abandonaram para morrer. Após três dias, ele foi resgatado e levado para um hospital, onde permaneceu em coma.
Um obreiro da Missão Voz dos Mártires, encontrou John no hospital. Perguntou-lhe qual era o seu sentimento em relação a seus agressores. A resposta de John foi surpreendente: “Eu já perdoei os muçulmanos. Eles não sabem o que estão fazendo.” Com informações Persecution, Christian Today e Daily Post

Ásia e Paquistão - O longo caminho das crianças cristãs violentadas ou mortas

ÁSIA/PAQUISTÃO -



Lahore (Agência Fides) – O último caso, assinalado à Agência Fides, aconteceu alguns dias atrás em Islamabad: o garoto cristão de 14 anos Waiz Masih foi morto por jovens muçulmanos, depois de uma "discussão sobre religião". O garoto foi brutalmente espancado e depois jogado, inconsciente, num canal. Junto desse, surgem outros casos na crônica internacional: o caso de Sunil Yaqoob Masih, 14 anos, órfão católico de Faisalabad cujo cadáver foi encontrado mutilado e sem alguns órgãos internos, e o de Rimsha Masih, 11 anos, cristã presa por falsas acusações de blasfêmia. É longo o caminho das crianças cristãs mortas, por motivos diferentes: ódio contra as minorias, tentativas de conversão ao Islã (mais de 700 garotas por ano), tráfico de órgãos ou de seres humanos e escravidão. Todos os crimes possuem um denominador comum: as crianças cristãs são consideradas "mercadorias" e sem dignidade. A Agência Fides recorda os casos aberrantes dos últimos anos: - Amaria Masih, l8 anos, católica, violentada e assassinada em 27 de novembro de 2011 no povoado de Samundari (Punjab) pelo jovem muçulmano Arif Gujjar, que queria se casar com ela e convertê-la. Foi definida a "Maria Goretti paquistanesa" (veja Fides 2/12/2011). A família perdoou o homicida. - Sabir Bashir, um adolescente cristão, torturado e assassinado em outubro de 2011 no território do distrito de Khanewal District (Punjab), por muçulmanos e por uma questão de "land grabbbing": os criminosos queriam tomar posse das terras dos cristãos e por isto atacaram as crianças. Outras crianças ficaram feridas no ataque. - Ana (nome de fantasia), garota cristã de 12 anos, filha de Arif Masih, gari em Shahdra, cidade perto de Lahore (Punjab): raptada e violentada durante oito meses por um grupo de militantes islâmicos. Abatida e traumatizada, foi convertida e obrigada a fazer casamento islâmico (Fides 11/10/2011). - Quatro crianças cristãs mortas em 2011 junto com suas mães perto de Jehlum (Punjab) porque se recusaram de abandonar um povoado que antes era muçulmano. - Farah Hatim, garota católica raptada, obrigada a matrimônio forçado e conversão ao Islã na cidade de Rahim Yar Khan, no Punjab. Algumas organizações não governamentais, no Paquistão, e fora do país levaram oficialmente o caso às Nações Unidas (Fides 22/08/2011). - Rebbecca Masih e Saima Masih, duas garotas cristãs raptadas por um grupo composto por muçulmanos no distrito de Jhung, na área de Faisalabad (no Punjab), e obrigadas a se converter ao Islã para se casar forçadamente com um rico empresário local (Fides 27/5/2011). - Shazia Bashir, garota cristã de 12 anos, violentada e assassinada em janeiro de 2010 (Fides 8/2/2010). Chaudhry Naeem, o rico advogado muçulmano, responsável pelo delito, foi absolvido. Por trás do caso existe um grande circuito de venda, tráfico e escravidão de menores. - Lubna Masih, 12 anos violentada e assassinada por um grupo de muçulmanos em Rawalpindi (Fides 13/10/2010). - Kiran George, garota de Sheikhupura (Lahore) morta em 10 de março de 2010 por queimaduras em todo o corpo, depois que o muçulmano Ahmad Raza, funcionário da polícia, jogou gasolina nela e ateou fogo. A jovem foi escravizada por uma mulher, Sama, caftina que vendia jovens como prostitutas ou escravas muçulmanas (Fides 22/3/2010). (PA) (Agência Fides 24/8/2012)

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Crianças cristãs sequestradas, mortas e decaptadas na Síria - Comissão de Direitos Humanos da ONU




Jovem cristã estuprada, torturada e assassinada

Quando 5 crianças Palestinas valem mais do que 1.000 crianças mortas na Síria
Deixa de hipocrisia ONU










Filhos de cristãos são sequestrados, torturados e decapitados, denuncia líder cristã síria
Madre Agnes Mariam el-Salib denuncia situação à Comissão de Direitos Humanos da ONU


Em março de 2012, a guerra na Síria completava um ano e ainda não tinha muito espaço na mídia mundial. Mesmo quando o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) fez uma denúncia grave: corpos decapitados foram encontrados na cidade de Homs, oeste da Síria.

É inevitável que civis morram durante uma guerra, mas a Rádio da ONU afirmava: “cadáveres de crianças pequenas foram encontrados entre as vítimas no bairro de Karm el-Zeytoun. Alguns tinham marcas de tortura, outros estavam decapitados”. Mesmo assim, a notícia teve pouca repercussão.

Cerca de 18 meses depois, o assunto volta a chamar atenção da imprensa internacional. Desta vez através de uma líder da comunidade cristã local. Em entrevista recente ao Russia Today, Agnes Mariam el-Salib, madre superiora do Mosteiro de St. James em Qara, Síria, disse que está encaminhando um dossiê à Comissão de Direitos Humanos da ONU.

Nele, afirma que a filmagem do suposto ataque químico na Síria é uma armação. Divulgado pelo mundo todo e usado pelos Estados Unidos como justificativa para uma invasão, trata-se de uma tentativa de rebeldes patrocinados pela Al Qaeda justificarem muitas de suas ações terroristas.

Madre Agnes vive na Síria há 20 anos e tem vivido os horrores da guerra desde seu início. Ela reforça o que tem sido amplamente noticiado: os cristãos são os primeiros a morrer quando as tropas rebeldes invadem cidades. Casas queimadas e igrejas queimadas e destruídas, ameaças de que todos que não se converterem morrerão e requintes de crueldade nas execuções.

Em sua recente entrevista a um dos principais sites da Rússia, ela conseguiu expos alguns dos aspectos que, por contrariarem interesses americanos, são ignorados pela mídia ocidental. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia pediu que a comunidade internacional preste atenção às revelações feitas por Agnes Mariam el-Salib.

Segundo ela, os corpos das crianças e adolescentes mostrados nas imagens não poderiam ser vítimas de um mesmo ataque. Um dos motivos para isso é que seus pais e principalmente mães não estão caídos ao lado deles.

Ao mesmo tempo, a comunidade internacional ignorou a matança brutal em Latakia dia 5 de agosto. “O ataque afetou mais de 500 pessoas, incluindo crianças, mulheres e idosos. Foram todos mortos no mesmo ataque rebelde. As atrocidades cometidas ultrapassam todos os limites”, denuncia. Além disso, muitas crianças foram sequestradas para nunca mais serem vistas;

O vídeo mostrando as vítimas do ataque com armas químicas no vilarejo de Gutha em 20 de agosto tem detalhes que passam despercebidos para quem não conhece a realidade síria. Foram cerca de 490 corpos, mas como foi mostrado por vários sites independentes, como o Before It’s News, as crianças não viviam em Gutha, mas são as mesmas sequestradas em Latakia duas semanas antes. Cerca de um mês depois do ocorrido, muitos dos pais que sobreviveram ao massacre as reconheceram no vídeo que rodou o mundo.

De fato, apenas alguns breves artigos no jornal “The Independent” mencionaram o assunto, com pouca repercussão. No Brasil, apenas a revista Carta Capital deu atenção ao fato. Por outro lado, o vídeo divulgado pela Reuters sobre o suposto ataque químico foi manchete de todos os principais órgãos de imprensa do mundo. O ponto principal é que grande parte dos mortos não eram filhos de muçulmanos, mas de cristãos e foram usados para atrair a atenção do mundo para um falso argumento.

Agnes não nega que armas químicas possam ter sido usadas, mas ela questiona por que existem dois pesos e duas medidas na imprensa. Ao total, doze aldeias alauítas foram submetidas a ataques sangrentos dos jihadistas. “Era um verdadeiro matadouro. Pessoas eram mutiladas e decapitadas. Existe um vídeo que mostra uma menina com sua cabeça decepada. Eles a cortaram com ela ainda viva. Viva!”, dispara.
Se quiser assistir ao vídeo clique aqui. O Gospel Prime alerta que são cenas chocantes.

A madre conta que há caso de líderes religiosos muçulmanos mortos e decapitados pelos soldados da Al Qaeda, mas nem se compara ao número de cristãos (drusos e católicos) dizimados recentemente, os mesmos que viveram em paz com os muçulmanos durante séculos.

Questionada por que demorou para fazer essas denúncias, ela afirma que a maioria dos repórteres americanos e europeus não estavam interessados em ouvi-la. “Qualquer cristão deve em primeiro lugar confiar em sua consciência e crer em Deus. Isso vai ajudá-los a salvar vidas inocentes. Eu não me importo mais com minha própria vida… Este é possivelmente o maior crime já cometido na história”, desabafa.

Ao falar sobre o apoio que espera do Vaticano, foi direta: “O Papa diz não tem planos, não tem bombas nem forças armadas… Ele pediu: Vamos parar de lutar”. Para ela, isso tem um grande significado. “A opinião pública mundial se voltou contra os EUA. É a primeira vez na história que a América está sozinha. Eles dizem ter o apoio de dez países. Mas eu insisto que não tem”, esclarece Agnes.

Para ela as pessoas desses países não concordam com seus governos e muitos, como a Inglaterra, passaram a ser mais cautelosos. Até mesmo o presidente Obama recuou em seus planos quando percebeu que não teria apoio irrestrito na ONU.

Neste sábado, a Human Rights Watch, organização de defesa dos direitos humanos criticou a resolução da ONU em apenas destruir o arsenal químico da Síria. Philippe Bolopion, representante da organização junto à ONU, se mostrou indignado: “A resolução não conseguirá trazer justiça para as centenas de crianças que morreram intoxicadas por gás ou por muitos outros crimes graves”. Com informações de Carta Capital, RT, Un Multimedia, Before Its News e G1

Fonte: Gospel Prime

Islamic State would be kidnapping people to dissect them alive and sell on the black market.

Estado Islâmico estaria capturando cristãos para dissecá-los vivos e vender órgãos no mercado negro

Estado Islâmico estaria capturando cristãos para dissecá-los vivos e vender órgãos no mercado negro
Uma denúncia alarmante feita por um militar aposentado da Albânia acusa extremistas muçulmanos do Estado Islâmico de estarem sequestrando cristãos para dissecá-los vivos e traficar seus órgãos no mercado negro.
De acordo com a imprensa albanesa, os extremistas seriam ligados ao grupo terrorista que pretende fundar um califado no norte do Iraque e que atua em diversos países árabes, incluindo a Síria.
Além da perseguição religiosa, a captura de cristãos para venda de órgãos estaria sendo feita para financiar as operações terroristas do Estado Islâmico e também sua resistência às investidas através de ataques aéreos realizados pela coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos.
O ex-militar trouxe o caso à tona por conta do grande número de cristãos que estão desaparecendo. Porém, o modus operandi dos extremistas muçulmanos não é novo, e há registros de que há pelo menos 15 anos essa tática vem sendo usada.
“[Os locais onde os cristãos são dissecados vivos] são verdadeiros açougues humanos, pessoas são mortas após terem seus órgãos retirados para venda no mercado negro”, disse o ex-militar. As vítimas são em sua maioria, “homens, mulheres e crianças” da Sérvia, país vizinho da Albânia.
A prática, que é considerada “um sério crime de guerra”, voltou às manchetes após a visita do papa Francisco à região, que aconteceu a pouco mais de um mês.
Um documentário produzido anos atrás pela emissora de TV alemã Deutsche Welle, mostrou  que a prática era comum no país, porém a Organização das Nações Unidas (ONU) nunca investigou a situação
O militar aposentado diz que esta prática bárbara do Estado Islâmico está se estendendo aos territórios da Síria e Iraque, onde há um grande mercado de órgãos no Oriente Médio
.

sábado, 8 de novembro de 2014

Cassação contra a Psicóloga Marisa Lobo termina com uma resposta de DEUS.

Cassação de Marisa Lobo é anulada e psicóloga cristã comemora: "Resposta de Deus"

Falando com exclusividade ao Portal Guiame, Marisa reforçou o caráter de perseguição religiosa que o caso ganhou.
Font: guiame.com.br
Na última quinta-feira, 06/11, a Justiça Federal anulou o processo administrativo do Conselho Regional de Psicologia do Paraná, que havia resultado inicialmente na cassação do registro profissional da psicóloga cristã Marisa Lobo. O mandado de segurança foi expedido pelo juiz federal Cláudio Roberto da Silva.

Entre as acusações que contribuíram para este processo de cassação da licença da psicóloga, o Conselho alegou que Marisa teria fundamentado suas práticas profissionais em dogmas religiosos e chegando a oferecer a tão polêmica "cura gay" a pacientes homossexuais. Posteriormente, a questão da cura gay chegou a ser retirada do processo, porém as acusações de proselitismo religioso foram mantidas.

A decisão do Conselho de Psicologia ocorreu em Maio deste ano (2014) e foi duramente criticada por diversos representantes cristãos, como o Senador Magno Malta (PR - ES) e o Pr. Silas Malafaia (ADVEC).

Para o advogado de defesa de Marisa, Gustavo Kfouri, a decisão mais recente (de anular o processo) mostra que, apesar dos Conselhos deterem a prerrogativa da utilização dos poderes de polícia e disciplinar, eles se encontram submetidos aos limites constitucionais.

“O Conselho tem limites. Ele não pode impor regras não previstas em lei e cercear as liberdades de expressão e de religião”, explica Kfouri.

O Conselho Regional de Psicologia do Paraná informou que ainda não foi notificado da decisão judicial, mas que o Conselho Federal deverá se pronunciar sobre o caso.

Falando com exclusividade ao Portal Guiame, Marisa reforçou o caráter de perseguição religiosa que o caso ganhou.

"Desde o começo eles (Conselho) inventaram a questão da cura gay, porque eu falo tecnicamente contra a ideologia de gênero e outras aberrações que o Conselho quer enfiar goela abaixo de todo o povo. O Conselho me perseguiu, porque eu o estava denunciando e não por causa de 'cura gay' - tanto que eles mesmos tiraram isto do processo e se focaram contra a questão da psicologia cristã. Então ficou claro que era um caso de perseguição religiosa", disse.

Arquivo
No dia 27 de agosto (Dia do Psicólogo) deste ano, Marisa recebeu diversos ataques / ofensas de internautas, em seus perfis das redes sociais (Twitter / Facebook).

"O que mais me deixava maluca era quando eles perguntavam: 'Cadê o teu Deus?' ou me diziam coisas do tipo: 'Manda o teu Deus descer da cruz para te ajudar'. Eis a resposta: Se o meu Deus estava em silência, era porque Ele estava trabalhando e agora Ele deu a resposta", finalizou.

Com informações da Gazeta do Povo / www.guiame.com.br