terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Nigeria: Muslims wipe out 15 villages in mass slaughter of Christians, government does nothing

“Despite several calls to the governor and his deputy, and other security apparatus, the government remained silent as the atrocities continued. The Fulani were able to carry out their deadly attack. They stayed for hours in the vicinity, moving at will, unchallenged.”
Why? Nigerian President Muhammadu Buhari clearly has no sympathy for the victims. He shares the world view of the jihadi attackers.
“Armed gangs WIPE OUT 15 villages in mass Christian slaughter in Nigeria,” by Joey Millar, Express, February 18, 2018 (thanks to The Religion of Peace):
ARMED men stormed through 15 villages to massacre Christians and destroy their churches in a violent crackdown against the religion in Nigeria.
Dozens of people have been killed after the gangs ransacked towns and villages to clear them of all aspects of the Christian faith.
Houses belonging to believers have also been razed with authorities doing little to help, an anti-persecution watchdog claimed.
Open Doors spoke to one Christian who described the broad daylight attack carried out by a group of Fulani – one of Africa’s largest ethnicities.
A spokeswoman said: “One attack took place in broad daylight, as people were about to go to church.
“The assailants chased and killed the villagers and burned down nine churches and many more houses.”
Christian persecution is a major problem in Nigeria which has been exacerbated by the spread of radical Islamic teaching and practice.
The shocked witness said Christians needed more protection from the country’s leader or lives would continue to be lost.
They said: “Despite several calls to the governor and his deputy, and other security apparatus, the government remained silent as the atrocities continued.
“The Fulani were able to carry out their deadly attack. They stayed for hours in the vicinity, moving at will, unchallenged.”…
In the central state of Nasarawa, 25 villages have been destroyed since January 15….
A spokesman for the Concerned Indigenous Tiv People group said: “Since the outbreak of the crisis on January 15 this year, due to the Fulani /herdsmen attack on our villages, leading to the displacement of Tiv in their ancestral homes, the Nasarawa State Governor, Tanko Almakura, has done very little to bring the situation under control.”
Other attacks have taken place in Benue State and across the Middle Belt region of the country. The Army has now been deployed to certain areas in order to stop the violence.
A spokeswoman for Open Doors said: “Believers experience discrimination and exclusion, and violence from militant Islamic groups, resulting in the loss of property, land, livelihood, physical injury or death; this is spreading southwards.
“Corruption has enfeebled the state and made it ill-equipped to protect Christians. Rivalry between ethnic groups and raids by Fulani herdsmen compound the persecution. Converts face rejection from their Muslim families and pressure to recant.”

TRADUÇÃO 


Nigéria: muçulmanos eliminam 15 aldeias em massacres de cristãos, o governo não faz nada
FEVEREIRO 19, 2018 4:43 AM POR ROBERT SPENCER 57 COMENTÁRIOS

"Apesar de várias chamadas para o governador e seu deputado, e outros aparelhos de segurança, o governo manteve o silêncio enquanto as atrocidades continuavam. Os Fulani foram capazes de realizar seu ataque mortal. Ficaram por horas na vizinhança, movendo-se à vontade, sem resposta ".

Por quê? O presidente nigeriano Muhammadu Buhari claramente não tem simpatia pelas vítimas. Ele compartilha a visão mundial dos atacantes jihadistas.



"Gangues armadas WIPE OUT 15 aldeias em massacres de massas cristãs na Nigéria", por Joey Millar, Express, 18 de fevereiro de 2018 (graças à Religião da Paz):

Homens ARMADOS invadiram 15 aldeias para matar os cristãos e destruir suas igrejas em uma violenta repressão contra a religião na Nigéria.

Dezenas de pessoas foram mortas depois que as gangues saquearam cidades e aldeias para limpá-los de todos os aspectos da fé cristã.

As casas pertencentes aos crentes também foram arrasadas com autoridades que pouco ajudaram, afirmou um governador anti perseguição.

Open Doors falou com um cristão que descreveu o amplo ataque diurno realizado por um grupo de Fulani - uma das maiores etnias de África.

Uma porta-voz disse: "Um ataque ocorreu em plena luz do dia, quando as pessoas estavam prestes a ir à igreja.

"Os assaltantes perseguiram e mataram os moradores e queimaram nove igrejas e muitas outras casas".

A perseguição cristã é um grande problema na Nigéria, que foi exacerbada pela disseminação do ensino e da prática islâmica radical.

A testemunha chocada disse que os cristãos precisavam de mais proteção contra o líder do país ou as vidas continuariam a perder.

Eles disseram: "Apesar de várias chamadas para o governador e seu deputado, e outros aparelhos de segurança, o governo manteve o silêncio enquanto as atrocidades continuavam.

"Os Fulani foram capazes de realizar seu ataque mortal. Ficaram por horas na vizinhança, movendo-se à vontade, sem resposta. "...

No estado central de Nasarawa, 25 aldeias foram destruídas desde 15 de janeiro ....

Um porta-voz do grupo Concerned Indigenous Tiv People disse: "Desde o início da crise em 15 de janeiro deste ano, devido ao ataque de Peças / Peças em nossas aldeias, levando ao deslocamento de Tiv em suas casas ancestrales, o Governador do Estado Nasarawa , Tanko Almakura, fez muito pouco para controlar a situação ".

Outros ataques ocorreram no estado de Benue e na região do Cinturão Médio do país. O Exército já foi implantado em certas áreas para parar a violência.

Uma porta-voz da Open Doors disse: "Os crentes experimentam discriminação e exclusão, e violência de grupos militantes islâmicos, resultando em perda de propriedade, terra, subsistência, ferimento físico ou morte; Isso está se espalhando para o sul.

"A corrupção enfraqueceu o estado e tornou-o mal equipado para proteger os cristãos. A rivalidade entre grupos étnicos e ataques por peregrinos Fulani agrava a perseguição. Converte a rejeição do rosto de suas famílias muçulmanas e a pressão para se retrair ".